• Mason Trucks

Carga perigosa: tudo o que você precisa saber para realizar esse tipo de transporte

Caso haja imprudência ou acidentes num trecho, você sabe quais são os agravantes que sua carga pode gerar? Se for capaz de causar danos à estrada, aos veículos ou até mesmo ao meio ambiente e à saúde das pessoas, ela é classificada como carga perigosa.


Conhecer todas as normas e os devidos cuidados para realizar esse tipo de transporte garantem ao motorista uma viagem sem maiores inconvenientes ou riscos para si próprio e para as demais pessoas na estrada. Pensando nisso, separamos aqui as principais dicas que vão te ajudar a realizar esse tipo de transporte com segurança. Continue lendo!



Tipos de cargas perigosas


As cargas são classificadas de acordo com a natureza do seu material e com os tipos de avarias que podem causar, tanto para o ser humano, quanto para o meio ambiente.

  • Explosivos: são substâncias que produzem grandes quantidades de gases e calor. Os exemplos mais comuns são a nitroglicerina e a pólvora;

  • Gases: dispersam-se com facilidade no ar e, muitas vezes, não apresentam odor ou cor, como é o caso do gás de cozinha, do cloro e da amônia;

  • Material radioativo: são utilizados na área industrial e até mesmo no setor hospitalar. Contudo, apresentam riscos, pois a energia liberada é invisível e, para a sua detecção, deve-se recorrer a aparelhos especializados. Somente a blindagem do contêiner garante que a radioatividade não se espalhe;

  • Líquidos inflamáveis: são produtos que geram uma reação de combustão quando em altas temperaturas. Esse é o exemplo de combustíveis como o óleo diesel, gasolina e o álcool;

  • Sólidos inflamáveis: são substâncias que se tornam inflamáveis em contato com as chamas ou com a ocorrência de atrito, como o enxofre;

  • Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos: são materiais que podem liberar oxigênio e, portanto, são capazes de gerar incêndios causados por peróxido de hidrogênio (conhecido por água oxigenada);

  • Substâncias tóxicas e substâncias infectantes: são produtos químicos capazes de causar danos sérios à saúde, mesmo em pequenas quantidades. Um exemplo comum são os pesticidas;

  • Substâncias corrosivas: em seu estado sólido ou líquido, esse tipo de material pode causar queimaduras se entrar em contato com a pele. Alguns exemplos são o ácido sulfúrico e o hidróxido de sódio (popularmente chamado de soda cáustica);

  • Substâncias e artigos perigosos diversos: essa categoria engloba os produtos que, por diversas razões, não se enquadram nas demais classes. Pode-se citar como exemplo as baterias de lítio.


Cuidado com a embalagem


Hoje em dia, existem embalagens próprias para o armazenamento e transporte de cargas perigosas. Entretanto, antes de tudo, é essencial que elas identifiquem de forma clara as características da mercadoria, o que engloba os seus respectivos símbolos e/ou marcações quanto aos riscos.


Cada categoria de carga exige um tipo diferente de proteção. Os materiais radioativos, por exemplo, demandam isolamento completo e vestimenta específica para o seu manuseio. Já os combustíveis são transportados em tanques que previnem a oscilação da temperatura do líquido, para evitar a combustão. Enquanto isso, os gases devem ser mantidos comprimidos em seu estado gasoso, para que não aconteça a sua liberação acidental.


E mais: as embalagens devem ter cor e volume que as deixem facilmente visíveis, evitando a possibilidade de que alguém as manuseie de forma descuidada, por engano. Elas também precisam ser confeccionadas com materiais duradouros e resistentes, os quais são próprios para suportar as particularidades do produto contido.


Equipamentos de segurança são obrigatórios


O motorista jamais pode deixar de usar todos os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Cada tipo de carga exige um tipo de equipamento, tanto na hora do transporte, quanto na manipulação. Além de estar sempre seguro caso ocorra algum acidente durante o trajeto, carga ou descarga, ainda fica isento de multa, que pode ser aplicada caso alguma norma destinada ao traslado de um certo tipo de mercadoria não esteja sendo respeitada.


Sinalização


Todo veículo que realiza transporte de cargas perigosas deve possuir o rótulo de risco, painel de segurança e o número ONU. É necessário que ambos estejam fixados em locais visíveis. Desse jeito, facilitam a identificação do produto caso haja um acidente, auxiliando nas operações de resgate e até mesmo na limpeza.


Documentação do motorista


Para o transporte desses produtos de alta periculosidade, o motorista deve se atentar à documentação necessária:


  • CNH;

  • RG;

  • Certificado de conclusão do curso de Transporte de Produtos Perigosos (TPP).

  • Documentação do veículo:

  • Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV);

  • Seguro obrigatório;

  • Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA);

  • Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam);

  • Certificado de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos a Granel (CIPP).


Documentação da carga


Além da documentação do motorista, é necessário portar a documentação da carga transportada:


  • Licença de operação para viagens interestaduais;

  • Licença de funcionamento ou certificado de registro da Polícia Federal (conforme a necessidade);

  • Requisição de Transporte (RT);

  • Documento fiscal;

  • Ficha de emergência;

  • Envelope para transporte;

  • Guia de tráfego;

  • Declaração do expedidor de material radioativo;

  • Ficha de monitoração da carga e do veículo rodoviário.


Caso aconteça um acidente, o que fazer?


Se acontecer um acidente com a carga perigosa que está sendo transportada, a primeira coisa a se fazer é alertar aos demais motoristas sobre o tipo de carga. Desta forma, é possível evitar outros acidentes e contaminações.


Outra ação imediata é alertar também, e o mais rápido possível, os órgãos competentes. Eles irão saber o que fazer para que os danos e riscos sejam minimizados e incluem os Bombeiros, a Polícia Rodoviária e demais agentes que administram a via, no caso de ser privatizada. Os órgãos ambientais também devem ser acionados, principalmente se ocorrer o derramamento de produtos tóxicos perto de plantações, rios ou outros locais que gerem um grande risco de contaminação do solo e das pessoas.


Neutralizar a substância derramada tende a ser uma atitude eficaz. Ela pode ser feita por meio da cobertura da região com serragem, areia ou outros tipos de matérias alcalinos. Caso a substância for líquido inflamável, essa ação diminui de forma efetiva a possibilidade de o material entrar em estado de combustão. E lembre-se de sempre procurar assistência médica caso houver qualquer contato com algum produto que possa causar mal à sua saúde.


Agora que você já sabe como deve ser o transporte correto de cargas perigosas, leia também o nosso artigo sobre seguro DPVAT: quando devemos acioná-lo.


5 visualizações

Venha nos visitar!

E SAIA DIRIGINDO UM MAN-VOLKSWAGEN SOB MEDIDA PRA VOCÊ!

Governador Valadares - Avenida Rio Bahia, nº 2241, Bairro Vila Isa  

Tel: (33) 4042-1955

Coronel Fabriciano - Avenida Presidente Tancredo de Almeida Neves, nº 4259, Bairro Caladinho

Tel: (31) 2942-1817

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco